Ministério da Saúde suspende pagamentos à empresa investigada na Lava Jato

Publicado por iRadio em Mundo

Publicado em 10 de abril, 2015 | Nenhum Comentário

O texto abaixo foi retirado em sua íntegra do site Último Segundo, do portal iG.

Agência Brasil

Empresa que prestava serviços de publicidade à pasta é investigada na Operação Lava Jato da Polícia Federal (PF) pois teria pago propina ao deputado cassado André Vargas

O Ministério da Saúde informou que suspendeu hoje (10) os pagamentos à agência de publicidade Borghi/Lowe, contratada em processo de licitação em 2010. A empresa é investigada na Operação Lava Jato da Polícia Federal (PF) pois teria pago propiina ao deputado cassado André Vargas (sem partido-PR).

Leia também: Ministério da Saúde vai investigar esquema denunciado na Lava Jato

Nova fase da Lava Jato investiga Caixa e Ministério da Saúde

Ex-deputados André Vargas e Luiz Argôlo são presos em nova fase da Lava Jato

A pasta informou, por meio de nota, que além da suspensão “imediata” dos pagamentos à Borghi/Lowe, não vai autorizar novas ordens de serviço para a empresa. Além disso, criará uma Comissão de Sindicância Administrativa para avaliar a regularidade da execução do contrato com a empresa. A portaria que cria a comissão foi encaminhada ao Diário Oficial da União, segundo a pasta.

A agência de publicidade Borghi Lowe Propaganda e Marketing Ltda. teria contratado serviços das empresas E-noise, Luis Portela, Conspiração, Sagaz e Zulu Filmes para serviços de publicidade para a Caixa e para o Ministério da Saúde e os orientado a fazer pagamentos de comissões de bônus de volume nas contas das empresas Limiar e LSI, controladas por André Vargas e seus irmãos, de acordo com o despacho do juiz federal 13ª Vara Federal de Curitiba Sérgio Moro, responsável pelos processos decorrentes da Lava Jato.

Também na nota, o Ministério da Saúde reforça que não firmou contrato com a empresa Labogen. “Em 2013, ao tomar conhecimento do relatório da Polícia Federal sobre a Operação Lava Jato, o ministério imediatamente suspendeu o termo de compromisso selado com o Laboratório da Marinha, antes mesmo da assinatura de contrato ou de qualquer repasse de recursos públicos. Isso significa que a proposta envolvendo a Labogen sequer passou da fase do cumprimento dos requisitos para assinatura de contrato”, diz.

De acordo com a PF, a Labogen firmou parceria com a pasta para fabricação no Brasil e o fornecimento ao Ministério da Saúde do medicamento Citrato de Sildenafila, que seria feito pela Labogen em associação com a empresa EMS S/A e o Laboratório Farmacêutico da Marinha (LFM).

A  Labogen, segundo as investigações, pertence a Leonardo Meirelles, que a usava para “celebração de contratos de câmbio para importações fictícias, a fim de remeter fraudulentamente dinheiro ao exterior”, em parceria com o doleiro Alberto Youssef, preso desde março do ano passado e apontado como operador do esquema de fraude em contratos da Petrobras investigado pela Lava Jato.

O Ministério da Saúde diz que as medidas em relação à Borghi/Lowe serão comunicadas à Controladoria-Geral da União e à Polícia Federal  e que está à disposição da PF e demais órgãos de controle para quaisquer esclarecimentos sobre os processos da Labogen e da empresa de publicidade.




Compartilhe

Sobre iRadio

O som da sua vida! Uma webrádio online 24 horas por dia, desde 2003! Programação jovem e variada, com o melhor da música dos últimos 10 anos.

Ver outros posts de iRadio

Nenhum Comentário

No momento não há comentários para: Ministério da Saúde suspende pagamentos à empresa investigada na Lava Jato
Que tal ser o primeiro? Comente!

Deixe um comentário