Aplicativo ZapZap, criado no Pará, quer ser versão brasileira do WhatsApp

Publicado por Marcos Monges em Web e tecnologia

tela-do-zapzap-para-android-desenvolvedor-diz-que-aplicativo-e-uma-versao-modificada-do-telegram-1401219509158_300x300[1]

Publicado em 29 de maio, 2014 | Nenhum Comentário

De tanto chamarem o WhatsApp de zap zap, o desenvolvedor paraense Erick Costa, 33, resolveu transformar a piada em realidade (o termo pegou, mas sua origem é incerta). Disponível gratuitamente apenas para Android desde abril, o aplicativo ZapZap, como define Costa, é uma versão brasileira do serviço de mensagem instantânea comprado no início do ano pelo Facebook.

A novidade é baseada no aplicativo Telegram, que tem código aberto, permitindo que os  desenvolvedores alterem as linhas de programação e criem um software personalizado. Foi exatamente isso que Costa fez, dando ao software um ar abrasileirado. Seu logotipo, por exemplo, tem a bandeira do brasil, enquanto a tela de fundo padrão exibe o símbolo da CBF (Confederação Brasileira de Futebol).

O ZapZap tem funcionamento bastante parecido com o do WhatsApp. Após a instalação, o usuário deve inserir seu número de telefone e um código enviado via SMS. Automaticamente, o programa busca em seus contatos quais estão cadastrados no ZapZap ou no Telegram.

É possível enviar mensagens de texto, voz, imagens, vídeos, a localização do usuário e documentos em anexo com o aplicativo.

Uma das vantagens do ZapZap sobre o WhatsApp é a possibilidade de usar a aplicação direto do computador de forma oficial. Por ser baseado em uma plataforma na nuvem (todo o conteúdo fica armazenado na internet), é possível conversar com contatos da plataforma acessando a página do serviço. Mesmo longe do celular, dá para enviar e responder mensagens por meio de um navegador conectado à internet.

Costa diz não temer qualquer tipo de pressão por parte dos gigantes da tecnologia pelas semelhanças com o serviço de mensagens comprado pelo Facebook. “O WhatsApp deu entrada no nome agora e meu aplicativo é muito novo. Não me preocupo com isso”, disse. Segundo ele, o programa já foi baixado 63 mil vezes e conta com 20 mil usuários ativos. Por enquanto, o desenvolvedor não ganha dinheiro com a iniciativa.

O “WhatsApp Brasileiro” não foi o primeiro aplicativo de Erick Costa, que desenvolve esses programas como hobby. Ele conta com pelo menos outros cinco programas no Google Play, dentre eles uma rede social para torcedores do Remo e um joguinho chamado “Flappy Danny”, uma versão do “Flappy Bird” estrelando o jogador de futebol Daniel Alves.

Diferenças

O aplicativo modificado por Costa conta com tradução para o português brasileiro, barulho de notificação do ICQ (lembra?) e sistema de notificação parecido com o do WhatsApp (aquele das setinhas verdes).

Uma das características que diferencia o ZapZap do WhatsApp é que ele tem a opção de chat secreto – característica presente no Telegram e no popular Snapchat. Com essa funcionalidade, o usuário consegue determinar o tempo de “sobrevivência” de uma mensagem. É possível configurar para dois segundos, cinco segundos, um minuto, uma hora, um dia ou uma semana.

Durante os testes, o aplicativo funcionou tão bem quanto o WhatsApp. O recurso de chat secreto executou com sucesso a tarefa proposta (autodestruir uma mensagem após determinado tempo). O único problema é a baixa adesão: ainda há poucas pessoas utilizando o serviço, então é improvável que você encontre por lá todos os seus amigos presentes no Whatsapp. No entanto, isso pode melhorar com o tempo.

Compartilhe

Sobre Marcos Monges

Fanático por comunicação, começou na área em sua primeira passagem pela iRadio em 2004, apresentando o programa "Mundo Estranho". Trabalhou também com jornalismo esportivo, e atualmente é narrador em eventos de telecatch (luta-livre). É atualmente membro da mesa diretora da iRadio.

FacebookVer outros posts de Marcos Monges

Nenhum Comentário

No momento não há comentários para: Aplicativo ZapZap, criado no Pará, quer ser versão brasileira do WhatsApp
Que tal ser o primeiro? Comente!

Deixe um comentário